domingo, 28 de dezembro de 2014

P A R A T O D O S

Em 2015 desejo aos amigos:

a cerveja gelada,
o fígado em ordem,
o coração nos conformes,
os amigos presentes,
a bola na rede,
a mão na roda,
centroavante goleador,
Ogum de ronda,
Xangô no apito,
o camarão no prato,
o moleque na escola,

Desejo também:
o samba no terreiro e o dia bonito.
O papo na esquina,
o botequim aberto,
a televisão desligada,
o pau duro,
a Maria mole,
a pipa no ar,
a rua sem carro,
o trem no trilho,
a barca no mar,
a canoa no rio.

Desejo mais:

A casa de vila,
a troça, a taça, a prosa,
a sanfona, a folia, o dia,
a água gelada,
o Buraco Quente,
e peixe assado.
Mais feira,menos mercado.
A festa de Cosme,
o traçado, o trabalho leve,
a cantiga breve,
o subúrbio livre,
o livro.
A paz, o pão,
o pião,
o rodopio,
o batuque,
o desvio,
o truque sem trambique.
O batuque, o acarajé e o tremelique.

A comida farta:
pirão,
mocotó,
rabada,
pururuca,
dobradinha.
Para quem prefere salada também.
Toque de bola, vento, varanda, gol da virada.
A criança brincando,
o homem sorrindo, a mulher amada.

Feliz Ano Novo!


O prazer sem tempo e sem tristeza; 
o desejo de dizer, movido a goró,
Cachaça, vinho, manga, reza, bamba,
Bimba, candonga,sunga, pinga,
(tudo o que já pude um dia)
numa mesa de qualquer bar do Brasil, 
de qualquer parte,com patriótica certeza: 
a minha pátria é a língua à milanesa.



Um ótimo 2015, novo!

domingo, 16 de novembro de 2014

SOIS DEUS!!!!!!



Todos são iguais perante a  Constituição Federal. Mas,se o caso envolve o juiz João Carlosde Souza Correa, atualmente no Juizado Especial Criminal de Campos Grande, a banda toca diferente. Pego numa blitz da Lei Seca em 2011, no Leblon, dirigindo um carro sem placa e sem habilitação, ele ficou ofendido quando a agente de trânsito Luciana Tamburini informou
que  a lei valia para ele também.“O senhor não é Deus”, ela informou. João Carlos discordou. E teve o apoio de um colega.
Luciana foi condenada pelo desembargador José Carlos Paes, da 14ª Vara Cívil do Tribunalde Justiça, a pagar indenização ao juiz no valor de R$ 5 mil, o dobro do que ganha como agente de trânsito.
São notícias assim que enfraquecem. Um agente público não pode temer cumprir a lei.
Quem usa a frase “você sabe com que está falando?”, deveria se preso em flagrante! 
Não me espanta o comportamento do juiz João Carlos, por acaso marido da ex-deputada Alice Tamborindeguy.
Em 2009, ele foi notícia ao discutir com um policial rodoviário federal após passarpor um posto da PRF em Rio Bonito em alta velocidade e com um giroflex, proibido por lei.
Em2013, foi multado por dirigir álcoolizado.
Mas nada comparado à investigação feita pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sobre sentenças polêmicas de João Carlos em processos sobre disputas fundiária sem Búzios, acusado numa carta aberta à população pela professora Elizabeth Peres da Silva Prata,presidente da ONG Ativa Búzios, de beneficiar interesses imobiliários da cidade,João Carlos tenta condená-la por calúnia e difamação. 

E ASSIM TROPEÇA A HUMUNIDADE!!!!!!!!!

INTERVENÇÃO PSIQUIATRICA JA!!

A frustração diante do resultado das eleições, em São Paulo, o povo foi às ruas inconformado
buscando reverter o resultado das urnas.
Se inventou uma ideia de que o presidente eleito seria o mineiro.
Essa intolerância à frustração revela infantis, como aqueles que, na escola, no recreio,brigam pelo resultado da partida de futebol. Não  aceitam o resultado,e como crianças, não admitem o fim de uma partida, pedem mais tempo,uma prorrogação, não querem entrar em contato com a realidade,e assim, inconformados, chegaram ao cúmulo de pedir a volta da ditadura. Intervenção militar? Não! Precisam mesmo é de intervenção psiquiátrica! Vivem a crise de doença mental coletiva! Ditadura? 


E ASSIM TROPEÇA A HUMUNIDADE!!!!!!!!!

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

A DIVISÃO QUE VEM DE LONGE

Esta campanha eleitoral não dividiu o país, mostrou
as diferenças que existem desde a chegada dos chamados
descobridores. A divisão começou quando integrantes dos
diversos grupos humanos que havia por aqui foram combatidos,
escravizados e mortos. As capitanias hereditárias, o projeto de
dividir a colônia entre os que tinham e os que não tinham terras.
A importação de africanos para o trabalho escravo, a maior
vergonha da história, criou a mais cruel das separações: a exis-
tência de homens e mulheres que não eram considerados seres
humanos, pessoas passíveis de espancamento, que podiam ser
submetidas a absurdas jornadas de trabalho e a abusos sexuais.
Escravos sequer tinham direito a ficar com seus filhos, vendidos
Como alguns fazem com filhotes de cães e gatos.
Do ponto de vista histórico, a escravidão acabou há pouco tempo,
os avós dos que hoje têm mais de 40 anos certamente conviveram
com ex-escravos. Os 126 anos desde a Abolição foram insuficientes
para apagar os conceitos que  marcavam e justificavam as diferenças
entre homens livres e escravos, entre brancos e negros.
Ainda e comum ouvir expressões que procuram legitimar o suposto
lugar de cada um, lugares que não podem ser mudados. Só em 1996
é que foi assinada lei que proíbe discriminação em elevadores sociais.
Para justificar a má qualidade da educação e da saúde, dizem : “Pra
quem e, está bom”. “Quem”, aqui como sinônimo de pobre. A divisão
 — na maioria dos casos, ainda é — evidente. As melhores escolas e
os bons hospitais eram para poucos, filhos de pobres não deveriam
estudar,  tinham que reproduzir a pobreza dos pais. Boa parte da socie-
dade  achava que nada precisava ser mudado. As leis sobre o trabalho
doméstico só chegaria em 1972. Ainda hoje, muita gente acha normal
que empregadas durmam nas casas dos patrões, fiquem 24 horas por
dia à disposição deles—e recebam por apenas oito horas de trabalho.
Para tantos e tantos brasileiros, qualquer passo que busque acabar com
a velha divisão é classificado de ilegítimo. O ódio de parte da sociedade
ao Bolsa Família revela que, para muita gente, só quem já tem dinheiro
é que pode ser ajudado pelo Estado.
A eleição não dividiu o país, apenas deu a muitos daqueles que estão entre os mais ricos a coragem de gritar, de dizer que não admitem o rompimento de tantas fronteiras. Eles vão ter que se conformar, o país mudou.

sábado, 25 de outubro de 2014

Ideologia importa?

Estamos a dois dias de conhecer a pessoa (ou o partido, PT ou PSDB?) que presidirá o Brasil pelos próximos quatro anos.
O que essas siglas representam?
Partidos de esquerda são mais atentos às questões sociais; veem o Estado como responsável pela geração de emprego e redução da
desigualdade. Já os partidos de direita defendem que o Estado deve intervir o menos possível na vida dos cidadãos e mais no controle das contas públicas e redução da inflação.
Para algumas pessoas as eleições são personalistas, votam na figura do candidato, e não em suas siglas partidárias.
Outros veem que é através dos partidos políticos, pelos seus programas de governo, que o eleitor deve se informa a respeito  do posicionamento dos candidatos ao cargo público e quais as suas prioridades em políticas públicas.
Este segundo turno pôs em xeque a visão de que ideologias e partidos políticos não importam. Estamos diante da escolha entre duas visões de mundo opostas, uma que defende um Estado mais atuante, favorável ao governo como provedor de direitos sociais, e a outra que defende o Estado mínimo, ou seja, o mercado deve apresentar as condições favoráveis  para que os cidadãos consigam, através dele, alcançar seus direitos.
Como eleitores, resta-nos fazer a escolha com base na nossa visão de mundo, e no histórico de cada partido quando do exercício da presidência. Se em algum momento do passado recente tais visões eram apresentadas aos eleitores através apenas dos discursos de campanha e programas de governo, hoje, para os que não são tão jovens, já é possível comparar sua prática governamental e consequências para o país em termos de desenvolvimento econômico e inclusão social.

Por uma sociedade justa, humana, fraterna, Voto 13 DILMA!

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Sou grato



Sou grato aos espertos que riram de mim fazendo piadas com meu compromisso e minha vontade de mudar o mundo. Se pra esses "manés" o mundo continua do mesmo jeito, cheio de coisas negativas e eles só se sentem felizes quando enganam alguém, pra mim o mundo mudou e com certeza pra melhor. Tenho mais amigos sinceros do que essa gente esperta demais.

sábado, 16 de agosto de 2014

Cara de Ronaldinho Gaúcho

Encontro de amigos de mais de 30 anos, alguns acompanhados.da
família,(netos, noras, esposas, cachorros e etc...) como sempre na
casa da Comadre em Paraty,   a filha dela chega, short de lycra,
rindo até o siso, números costurados no peito da regata sintética.
Meia maratona completada em tempo mínimo, achou barato e emendou
em largas passadas a ida a geladeira.
Batimento cardíaco em torno de 60, me entrega uma Cerveja diz  pausa-
damente:
—Tio! Você tem  que correr!
— Eu já estou correndo, Lívia, da morte!  E sito um versículo religioso,
Deus criou o mundo em sete dias, Incluindo o descanso. tirando  a natu-
reza, soberana no planeta, o ser humano ficou a desejar.
Defeitos de fabricação, nariz de gavião, orelhas de abano, são constantes
os avisos de recall para o combustível ou essa engrenagem de carne e osso.
Peço perdão ao Criador, mas apressado em obra própria, a democracia de
células involuntárias, radicais livres, enzimas e metabolismos, o sujeito em-
gorda desde o primeiro choro, não importando a dieta uterina.
Conheço pessoas de rara educação, priorizando frutas, saladas e grelhados
na refeição, que continuam sendo chamadas de ‘rolha de poço’. Recorrem
aos distantes spas  localizados nesse sítios de muro alto, quase um tratamen-
to antidrogas. Madrugam junto a ordenha da vaca, caminham em trilhas  es-
pinhosas, moletom enlameado e, no fim da tarde, emagreceu um grama na
Balança da Verdade.
Alguns dos presentes Lívia, mantem os nossos  anteriores estilos de Vida.
A presença obrigatória na Fotografia do bar da esquina, bebe em pé pra engor-
dar a barriga da perna. São dúzias de cervejas ao longo da jornada, um conha-
que de mel, vez por outra, pra adoçar a vida, seguidos de moelas, torresmos, sar-
dinhas  no óleo queimado, pernil de ontem, umas azeitonas de enormes caroços,
outro traçado, e, à noite, ainda de chinelos entre os dedos, descobre que perdeu
um quilo na semana.
Pior. As receitas.
O  ovo, com cara de Ronaldinho Gaúcho, uma hora urubu,depois, galo, troca de
time em toda a temporada. Agora, revelação promissora, o bacon ganhou o statu
s de colesterol bom. Indicado no tratamento das coronárias, entope seu cardápio
de opções saudáveis rico em proteína animal e seus arredores saturados.
Optei pelo sedentarismo, e voltei a fumar e beber.
Mantenho esperanças que, num breve futuro, benefícios serão descobertos nessa
prática de vida.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

M Ã O S

  



   As mãos de meu avo tinham veias azuis em alto relevo, córregos entre couro e osso,
cobras inflamadas nos desvios da rugas. Eu corria lentamente a ponta do dedo sobre
a elevação inchada nas mãos murchas de meu avo, e pedia a Deus para que as mãos
de minha pai  não ficassem assim.
   As mão de meu pai também se tornaram azuis, como barbantes mergulhados em pele
murcha, seca e manchada. Os meus dedos faziam carinho, evitando o contato das unhas,
 achando que de uma hora para outra poderiam rasgar a película e o jato azul inundar tudo,
 pensando que as minhas mãos nuca teriam esse desenho.
  Agora , percorro com os dedos de minha mão esquerda fio por fio as costas da mão
direita, invertendo depois a ordem revendo em minhas mãos murchas e manchadas os corre-
gos de meu avo, sentido novamente o temor de que explodissem no ceu as nuvens em cordas
das mãos de meu pai, olhando as mãos de meu neto, pensando que a vida,- esse manuscrito
de mistério-,  não passa de um eterno esperar pelos sinais que as mãos nos reservam.   

segunda-feira, 14 de julho de 2014

C A N Ç Ã O !


Eles tem códigos e decretos.
Eles tem prisões e fortalezas.
(sem contar seus reformatórios!)
Eles tem carcereiros e juizes
que fazem o que mandam por trinta dinheiros.
Sim, e para que?
Será que e;es pensam que nós, como eles,
seremos destruídos?
Seu fim será breve e eles hão de notar
que nada poderá ajudá-los.
Eles tem jornais e impressoras
para nos combater e amordaçar.
(sem contar seus estadistas!)
Eles tem professores e sacerdotes
que fazem o que mandam por trinta dinheiros.
Sim, e para que?
Será que precisam a verdade temer?
Seu fim será breve e eles hão de notar
que nada poderá ajudá-los.
Eles tem tanques e canhões,
granadas e metralhadoras
(sem contar seus cassetetes!)
Eles tem policia e soldados,
que por pouco dinheiro estão prontos a tudo.
Sim, e para que?
Terão inimigos tão fortes?
Eles pensam que podem parar,
a sua queda, na queda, impedir.
Um dia, e será para breve
verão que anda poderá ajudá-los.
E de novo bem alto gritarão: Parem!
Pois nem dinheiro nem canhões
poderão mais salvá-lo

domingo, 13 de julho de 2014

Valorize o seu voto.E a sua inteligência!



Em campanha eleitoral, os candidatos pertencem a um partido que, na teoria, defende um programa. Se você pedir a seus candidatos para destacar dez pontos fundamentais do programa de seus partidos, o que diriam? Desconfio de que a maioria nunca o leu.
Há eleitores que priorizam a preferência partidária, e não o candidato. Se o político troca de partido, corre o risco de perder votos. Muitos eleitores negam apoio a quem cede ao pecado da infi-
delidade partidária.
Assim,os partidos transformam-se em confederações de tendências. Os partidos abrigam partidecos que, travam disputas internas. Deve ser por isso que se chamam partidos...Alguns deveriam ser qualificados de repartidos.
Na eleição a governador e presidente da República, o que
conta—além do horário gratuito no rádio e na TV—é o marketing, resultante de três afluentes que deságuam em imensa pororoca: o candidato, o partido e a agência de publicidade contratada para maquiar o político. Um minuto a mais na TV vale tanto que há quem troque a coerência política por
um prato defeijão...
Os candidatos procuram um publicitário ou jornalista que tenha com eles um mínimo de afinidade ideológica e, se possível, afetiva, e o contratam.
Tudo se complica quando chega a hora do rádio e da TV.
Os marqueteiros eleitorais são poucos e, em geral, disputadíssimos. Por isso, são caros. E trabalham para quem paga.
Os partidos conservadores, fartos em dinheiro, contratam
os mais competentes. Para a direita tudo é mais simples,
pois se move por interesses, ao contrário da esquerda, que se
move por princípios (ou deveria).
Marqueteiros eleitorais dificilmente são progressistas.
Alguém deve ceder: o marqueteiro, submetendo-se às decisões da coordenação da campanha, ou o candidato,submetendo-se às exigências de marketing.
Em geral, cede o candidato e, com ele, ficam desfigurados
seu perfil ideológico, o programa da campanha e o caráter
do partido.
Resultado:o candidato encantador vira abóbora ao ser elei-
to, e o eleitor que não examinou bem antes de votar fica chu-
pando os dedos...


Valorize o seu voto.E a sua inteligência!

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Carta ao Arquelogo do futuro.


  Em 4 de junho, Dia Mundial de Combate à Violência contra Crianças, o Senado,

após tramitação de mais de quatro anos, aprovou a lei que veta o uso de castigos
físicos ou de tratamento cruel ou degradante na educação de crianças. Um senador
distraído afirmou que não teve tempo de ler o projeto, objeto de várias audiências
públicas e debates acalorados em todo o Brasil.

   Prezado Arqueologo,  um senador alega que a violência contra criança é regra bíblica,
pois em Provérbios 23:13-14 está escrito “Não evites disciplinar a criança se você a
castigar com a vara ela não morrerá. Castigue-a você mesmo, com a vara, e assim a livra-
rá da sepultura”.
   Evidente que só os fundamentalistas ainda interpretam a Bíblia literalmente.
Mesmo que assim fosse, o texto indica que  o castigo com a vara nos tornaria imortais.
Ignorância pura, se querem dar uma interpretação literal, devem saber que a palavra
‘vara’ simboliza Justiça, e não violência. Tanto que até hoje existem as Varas Cíveis,
Varas Criminais, Varas de Família, etc.. Portanto devemos corrigir com Justiça, e não
com a Vara que os fundamentalistas trazem nas mãos. Não acredito que o Senador
(Cantor, Pastor) não tenha esse conhecimento, o que o qualifica como manipulador!
   O que se deve desejar para as próximas gerações são ações construtivas positivas,
baseadas numa disciplina que cultive o respeito e o amor mútuo. O castigo, ação de na-
tureza disciplinar ou punitiva com uso da força física que resulte em sofrimento físi-
co ou lesão à criança ou ao adolescente, e o tratamento cruel ou degradante que o
ameace gravemente ou o ridicularize devem ser eliminados da nossa cultura.
   Um deputado, prezado arqueologo, que se diz representante de bancada cristã e hostili
zou em plena sessão Xuxa Meneghel, defensora dos‘baixinhos’, questionando fatos de
sua juventude, traiu o Mestre, a quem afirma servir, que em situação semelhante teria
sugerido que atirasse a primeira pedra se ele fosse limpo. Claro que esse agressor teria
aído correndo do plenário da Câmara e, certamente, protegido por vários correligionários.
   Beliscões, gritos e palavras chulas não mais existirão nem sequer nas sessões do
Parlamento quando nos acostumarmos a tratar as pessoas em processo de desenvol-
vimento com respeito e dignidade.


sexta-feira, 6 de junho de 2014

PAULO BETTI


“REUNIÃO DE APOIO A AÉCIO NA
CASA DE LUCIANO HUCK E ANGÉLICA.
PRESENTES MARCELO ADNET,
KAKÁ, ANDRUCHA WADDINGTON,
FERNANDA TORRES. SEM
COMENTÁRIOS (RISOS)”-Paulo Betti

“Esses soldados da situação. Patrulheiros
vermelhos. Gente xiita, cega e com um discurso
enraizado na segunda metade do século passado,
onde só existe companheiro e inimigo”
Thiago Lacerda,
criticando o post de Paulo Betti

“Bem-vindo à disputa política! Sempre vai ter ironia,
quando não tem briga e porrada, e às vezes perda
de emprego e etc. A situação de hoje já foi
oposição, e te garanto que é tão difícil
ser oposição, quanto ser situação”
Paulo Betti,
em resposta

quinta-feira, 5 de junho de 2014

É protesto ou autopromoção?

Vocês já repararam o que tem de 'roqueiro' falido falando mal da presidenta? Até aí nenhum problema, pois somos uma democracia. Mas quando analisamos o discurso, vazio e sem situar dados e fatos, suspeitamos da intenção.
É protesto ou autopromoção?
Curiosamente, os 'heróis da resistência' estão nos devendo muito, sobretudo naquilo que mais esperamos deles: a música.
O último a dar o ar da graça foi Falcão, do O Rappa. Coitado, deve estar precisando mesmo falar da presidenta, pois disco bom, ele não grava desde o 'Silêncio que Precede o Esporro', de 2003. Ele nunca será um Yuka, que sabe debater, dialogar e criticar, mas com inteligência, situando e abraçando os anseios do interesse público.
O Lobão já é figurinha carimbada entre os abutres da direita brasileira. Parece um menino mimado ou um emo de 13 anos que fica na porta do supermercado chorando. Pior ainda: para defender o rock, ele critica a MPB. Ora bolas, se quer defender o rock, grave um bom disco de rock! É um músico tão insignificante, que hoje produz livros de cabeceira para ultraconservadores. Bela trajetória!
E Roger? O Roger é um... eu não lembro quem é o Roger.

terça-feira, 27 de maio de 2014

SER, NASCER, EXISTIR

Viva a liberdade de ser aquilo que nasceu para existir!”


Nascer para ser. Ser,nascer,existir,pois é um raciocínio que me acompanha desde sempre. Se nasci, sou legítimo para existir da maneira que escolhi,o nascimento me credencia ao ser e estar no mundo, porque esta é a vida que tenho. E não devemos a desperdiçar sendo o que os outros querem. Ser o
que existe em plenitude por que concebido e nascido. Recebo a graça de estar aqui, e faço isto da melhor maneira, porque é oportunidade imperdível.
Se era pra ser outro, eu não deveriamos ter sido parido; e já que fomos,
aproveitaremos.
Me sabendo único, encaro todos os meus semelhantes como únicos também. Originalíssimos em seus universos pessoais, pois cada um tem uma história única que nos forjou desta maneira particular que somos. Não busco iguais, não quero gente padronizada. Não acredito em pensamentos totalizantes, tipo todo favelado é assim, nenhum Funkeiro presta, etc...acho burrrice não sacar o específico que é ser alguém.
Me percebendo complexo, acredito na complexidade de cada um e, sendo
eu, deixo os outros serem o que quiserem,e pergunto: isto é você ou o que os outros te convenceram de ser? Sou incapaz de ditar regras para o existir.Tudo isto para chegar às três regrinhas que o juiz tenta colocar no misterioso mundo, para manter uma religião como desqualificada.
Ele me diz que o Deus dela é pior que o dele porque transmitido oralmente
e não por escritos. Para ser,tenho que escrever.Depois ele me diz que a hierarquia não é bacana, melhor a de quem tem Papa, Rabino, melhor escadinha que todos os sacerdotes livres para existir.Para ser, tenho que ter chefão. E por fim nada de vários Orixás e um Olorum, negativo, só pode ser um Deus e a-ca-bou.Para ser é necessário monoteísmo.
Como a vida é maior que qualquer despacho judicial, acredito piamente na fé alheia e compreendo as grandezas dos dogmas.

Não quero chutar santa, não quero fazer piada com Alá. Quero viver e deixar viver.

domingo, 18 de maio de 2014

P I O R A N D O P R A Q U E M !

Fico triste ao ler artistas dizendo que não dá mais para viver no Brasil, como se as coisas estivessem piorando, e muito, para a maioria. Dizer que não dá mais para viver no Brasil logo agora, agora que milhões de pessoas conquistaram alguns direitos mínimos, emprego, casa própria, luz elétrica, acesso às universidades e até, muitas vezes, a um prato de comida, não fica bem na boca de um artista, menos ainda de um artista popular, artista que este mesmo povo ama e admira. Em que as coisas estão piorando? E piorando para quem? Quem disse? Qual a fonte da sua informação?
Fico triste ao ouvir artistas que parecem sentir orgulho em dizer que odeiam política, que julgam as mudanças que aconteceram no Brasil nos últimos 12 anos insignificantes, ou ainda, ruins, acham que o país mudou sim, mas foi para pior. Artistas dizendo que pioramos tanto que não há mais jeito da coisa "voltar ao ‘normal ‘", como se normal talvez fosse ter os pobres desempregados ou abrindo portas pelo salário mínimo de 60 dólares, pobres longe dos aeroportos, das lojas de automóvel e das universidades, se "normal" fosse a casa grande e a senzala, ou a ditadura militar. Quando o Brasil foi normal? Quando o Brasil foi melhor? E melhor para quem?
A mim, não enrolam. Desde que eu nasci o Brasil não foi melhor do que é que hoje. Há quem fale muito bem dos anos 50, antes da inflação explodir com a construção de Brasília, antes que o golpe civil-militar, adiado em 1954 pelo revólver de Getúlio, se desse em 1964 e nos mergulhasse na mais longa ditadura militar das américas. Pode ser, mas nos anos 50 a população era muito menor, muito mais rural e a pobreza era extrema em muitos lugares. Vivia-se bem na zona sul carioca e nos jardins paulistas, gaúchos e mineiros. No sertão, nas favelas, nos cortiços, vivia-se muito mal.
A desigualdade social brasileira continua um escândalo, a violência é um terror diário, 50 mil mortos a tiros por ano, somos campeões mundiais de assassinatos, sendo a maioria de meninos negros das periferias, nossos hospitais e escolas públicos são para lá de carentes, o Brasil nos dá motivos diários de vergonha e tristeza, quem não sabe? Mas, estamos piorando? Tem certeza? Quem lhe disse? Qual sua fonte? E piorando para quem?"

sábado, 26 de abril de 2014

S A N I D A D E




CONVERSO SOZINHO,

DOU RISADA DOS MEUS TOMBOS,

ACHO GRAÇA DAS PIADAS SEM GRAÇA QUE EU CONTO,

BRIGO COM OBJETOS QUANDO ESBARRO NELES,

FALO SOZINHO,

FAÇO PERGUNTAS PRA MIN MESMO, E RESPONDO,

MISTURO AS LETRAS DAS MUSICAS QUANDO CANTO,

SOU LOUCO, PORQUE A SANIDADE EH IMBECIL E ESTERIL !!!!!!!!!

domingo, 20 de abril de 2014

O padre e a médica, tão longe, tão perto!


   Poderia ser mais um passeio sentimental pelas esquinas, a Praia do Flamengo, o Aterro, os jardins do Palácio do Catete. Mas uma movimentação incomum nas cercanias do velho Hotel Novo Mundo me levou ao Vale do Piancó, nos confins da Paraíba.  Um andarilho que leva o Brasil no sobrenome e o Evangelho ao pé da letra: só entende o sacerdócio se ele for exercido ao lado dos que mais precisam.
   Padre Djacy, você ficaria feliz de ver o que eu vi. Carros e vans do interior fluminense lotavam a Praia do Flamengo e a Rua Silveira Martins, um entra-e-sai de malas, motoristas com listas de passageiros nas mãos. Miguel Pereira, Silva Jardim, Três Rios, Miracema, Rio das Ostras. As pessoas apressadas. Muita gente falando espanhol. Padre, acredite, eram médicos cubanos.
   Sim, aqueles mesmos que o senhor um dia chamou de anjos “porque vêm ao encontro dos pobres”. O saguão do Hotel Novo Mundo é um cenário de despedidas e ansiedades nesta tarde nublada e abafada de outono. São 165 médicos cubanos que fecham um ciclo de adaptação e agora partem para seus destinos. Com estes, são 457 profissionais que chegam ao estado dentro do Programa Mais Médicos. Alguns ficam pela capital, mas outros, como o senhor sempre defendeu, vão para o interior, onde estão as pessoas mais esquecidas.
   Já na van que o vai levar para Barra Mansa, o casal de médicos Yoanny Delgado e Yulisa Martinez fica acabrunhado em dar entrevista. Ainda estão marcados pela recepção pouco amistosa de alguns médicos brasileiros à chegada dos cubanos ao país. “Só queremos trabalhar em conjunto, ajudar as famílias no interior a ter saúde melhor. Só isso”, diz Yulisa. Os dois pretendem ficar os três anos de contrato, e voltar para Cuba para ter o primeiro filho.
   O  acabrunhamento é compreensível. Lembro quando você postou no Facebook, em 28 de agosto do ano passado, um desagravo ao médico cubano Juan Delgado, que foi hostilizado por colegas brasileiros ao desembarcar em Fortaleza, dias antes, para se dispor a trabalhar em lugares refutados pelos profissionais pátrios. Você pediu ao Juan desculpas por todos nós: “Se alguém encontrar esse médico por aí, por gentileza lhe dê um abraço, peça desculpas, agradeça sua boa-vontade e avise que não somos todos assim.
   Ainda bem que não. Não esqueci suas palavras pedindo médicos para cidades que estão no mapa, mas parecem não estar no mundo, como as pernambucanas Vicência, Muropé e Afogados da Ingazeira, ou as do seu Vale do Piancó, como Curral Velho e Pedra Branca.
   Você precisava ver a simpatia de Madeleinys Monterrey, uma especialista em Medicina Integral, ao embarcar na van para Maricá. Aterro onde muitos arranharam joelhos e cotovelos jogando bola nos campos de terra que agora são de grama sintética. Parecia uma velha amiga ao contar que é de Pinar del Río, famosa por suas plantações de tabaco e por produzir os melhores charutos do mundo. “Minha esperança é ser bem-recebida e fazer o que sei fazer, que é cuidar das pessoas”, ela diz. Madeleinys é solteira, quer ficar três anos no Brasil e, se arranjar namorado, pretende convencê-lo a ir para Cuba. Será um sujeito de sorte.
   Cada um tem seus sonhos. Você  padre, que tem como armas as palavras e as solas dos sapatos, acalanta os seus. Ver a gente pobre mais bem tratada, com água o ano inteiro, com médico para quando precisar. Andando pelas pedras da Praia do Flamengo, onde já cultivei tantos sonhos e vi outros tantos se perderem, fico imaginando se, no fundo, esses anseios acabem se unindo de alguma forma. Seja em Cuba, em Maricá ou no Vale do Piancó. Talvez.
   Yulisa e o marido Yoanny já parecem mais dispostos na despedida. Perguntam se Barra Mansa é violenta, se fica perto do mar. Com seu sorriso aberto, Madeleinys arrisca algumas palavras em português antes de partir. Digo a ela algo que o senhor gostaria de dizer: “Temos que te agradecer por ter saído de sua terra e ficar longe de lá por três anos para melhorar a vida da gente”. Ela se emocionou, eu também. Se ela vai ficar os três anos, se vai aguentar a saudade, isso eu não sei. Mas a alegria dela contagiou esse pedaço da Praia do Flamengo, padre. Que chegue ao Vale do Piancó.

   Boa Páscoa para Você.

sábado, 19 de abril de 2014

DIABETICAS ESPIRITUAIS (Feliz Pascoa)

   
   Toda Páscoa é a aquela lenga-lenga: as pessoas esqueceram o real significado da data, só pensam em chocolates, ovos e comida em geral, é uma festa capitalista. Eu considero este o dia mais alegre “doce” do ano, em que celebram o renascimento, a esperança e a passagem para uma nova era, e acho que não há presente melhor que chocolate para adoçar a vida!
Eles me remetem a infância, a época da inocência, e é bom abrir um ovo, ir comento aos pedaços, guardado na geladeira para os momentos de ansiedade durante o ano. Será que existe prazer maior que o sorriso de uma criança quando ela encontra o ovo que o coelho escondeu?-e frustrante é quando elas descobrem  pela internet, que o coelho no existe?
   Mas há crianças que não ganham ovos, drama que uma amiga tratou logo de resolver.Disse a filha de nome  Ceu, de  5 anos, que no sábado, o coelho escondeu 80 ovos, 1 para ela, e 79, para distribuir em um orfanato.E por que sábado?Para que elas pudessem entregar domingo de manhã, pois o coelho tem muitas entregas a fazer durante a páscoa.
   Outro dia li que existe um ovo de 23 mil, de chocolate ao leite, 230kgs. e 4.165 bombons, e um outro folheado a ouro(40 mil).Fiquei espantado, eu que passei a infância, comendo os ovos feitos por minhas avós, tias e mãe, formatados em formas de plásticos, sem qualquer interesse pelas marcas famosas, pois o gosto deles eram sem comparação!
   Algumas pessoas que perdem seu tempo, reclamando da vida ou falando mal  dos outros precisam de uma boa dose de glicose na língua. A elas, diabética espirituais, desejo hoje muitos ovos e bombons.


   Feliz Páscoa!!! 

domingo, 30 de março de 2014

A CULPADA.

  1. São deprimentes as conclusões da pesquisa sobre violência
    contra mulheres. Para 65% dos entrevistados, mulheres que
    se vestem “revelando o corpo” merecem ser estupradas. Há outras manifestações de machismo e de intolerância, como a
    crença de que existe “mulher para casar” e a aversão a demonstrações de afeto entre casais homossexuais. 
  2. Se um homem decide andar na rua sem camisa, dirão que ele está com calor, ou no máximo reclamarão de deselegância.
    Se estiver se short, arriscarão afirmar tratar-se de um esportista.
  3. Com a mulher, não há metade dessa benevolência. Julgam-nas pelo que vestem. Consideram-nas ‘fáceis’ pelo comprimento da saia ou pelo que é avistado sob o decote.
  4. Se 65% pensam agem assim, me sinto feliz em ser minoria!!!!
  5. E assim termina o mes da Mulher.

domingo, 2 de março de 2014

N E S T E C A R N A V A L

Neste Carnaval, quero...
                                                           ...à fantasia e a loucura  dos que desfilam em blocos arrancando do coração e das faces uma por uma as máscaras: do cínico,do farsante e do corruptos/corruptores..



Neste Carnaval,quero...
                                                         ...atravessar sozinho o Sambódromo e recolher  pelo chão as tristezas fantasiadas de  alegria, e as lágrimas do ritual do riso das ilusões com realidade.



Neste Carnaval, quero...
                                   
                                                            ...um Carnaval que nunca cesse e, que o brilho do coração irradie tanta luz que traga aos olhos a cegueira para o transitório.


Neste Carnaval, quero...
                                                          ... que sejam ternas e eternas as  alegrias, 

sábado, 22 de fevereiro de 2014

D E F I N I Ç Õ E S

''M E T A N O L, fogo que arde e não se ve.

H A N S E N I A S E, ferIda que doi e não se sente.

B I P O L A R I D A D E, contentamento discontente.''

domingo, 16 de fevereiro de 2014

BRAÇOS LEVANTADOS



Um dos símbolos da liberdade pode estar com seus dias contados.

O PSDB protocolou junto ao Supremo Tribunal Federal, e nas mãos de seu mais isento ministro, Gilmar Mendes, um processo contra a Estátua da Liberdade por quebra de decoro monumental.
A Estátua com o braço erguido, considerado pelos tucanos como uma referência ao gesto feito por José Dirceu e José Genoíno.

Um dos que protocolaram o pedido ameaçou: "ou aquela piriguete abaixa aquele braço ou vamos às últimas consequências. Cogitamos inclusive derrubá-la".
Um ministro do Supremo que não quis se identificar disse que a Estátua pode ser enquadrada no "domínio do fato" e no artigo 45 do Código Penal, que diz que, para petista, todo castigo é pouco. Perguntado sobre o que seria esse "domínio do fato", o ministro não soube responder.  Em uma coletiva dada hoje pela manhã, em Nova York, o ícone mundialmente conhecido disse que prestou solidariedade aos companheiros"   presos por razões humanitárias.
E atacou os tucanos: "eu sou feita de cobre. Já esses que me acusam são um bando de caras de pau".
O símbolo de Nova York já havia feito o mesmo gesto anteriormente em comemoração à vitória dos atletas negros, que ergueram o punho fechado nas olimpíadas do México, em 1968,  em homenagem aos Panteras Negras, grupo que lutava pelos direitos civis contra o apartheid nos Estados Unidos.
Questionada sobre se não deveria fazer o mesmo sobre Guantánamo, reagiu com indignação: "mas eu fiz; vocês é que não prestaram atenção".
Uma repórter da rede de comunicação ultradireitista perguntou à Estátua se ela não se envergonhava de emprestar sua imagem a "comunistas brasileiros", ao invés de continuar como garota propaganda do "American way of life".

Irritada, a Estátua lembrou: "minha filho, eu sou frances. Vim de presente morar aqui nessa espelunca".

A Estátua foi também indagada se doou dinheiro para as vaquinhas que estão sendo organizadas para pagar a multa imposta aos condenados. "Ah, isso não. Devo confessar que sou muito mão fechada e ando dura faz tempo".
Só tem um  problema nessa historia, a Estátua da Liberdade está com o braço direito levantado e não o esquerdo.




quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

HOMENAGEM AS GUERREIRAS

Eu não desejo ao machismo vida longa,

viver sem medo do machismo é nossa vitória


Bateu de frente é só tiro, porrada e bomba


Aqui machista não se cria e nem faz história



O corpo é meu, a buceta e o resto tudo


A liberdade é pra mim, prá todo mundo.


No camarote só tem vaga pra burguês


A nossa galera tá no baile e nos rolês




Não sou covarde já to pronta pro combate


Keep Calm e deixa de recalque


O meu sensor de slut-shaming explodiu,


O que q vc tem contra a puta que pariu? ... (rala seu mandado)




Beijinho no ombro pros machistas passar longe,


Beijinho no ombro para os racistas de plantão


Beijinho no ombro só quem fecha com o bonde


Beijinho no ombro pra quem tem disposição