quinta-feira, 24 de julho de 2014

M Ã O S

  



   As mãos de meu avo tinham veias azuis em alto relevo, córregos entre couro e osso,
cobras inflamadas nos desvios da rugas. Eu corria lentamente a ponta do dedo sobre
a elevação inchada nas mãos murchas de meu avo, e pedia a Deus para que as mãos
de minha pai  não ficassem assim.
   As mão de meu pai também se tornaram azuis, como barbantes mergulhados em pele
murcha, seca e manchada. Os meus dedos faziam carinho, evitando o contato das unhas,
 achando que de uma hora para outra poderiam rasgar a película e o jato azul inundar tudo,
 pensando que as minhas mãos nuca teriam esse desenho.
  Agora , percorro com os dedos de minha mão esquerda fio por fio as costas da mão
direita, invertendo depois a ordem revendo em minhas mãos murchas e manchadas os corre-
gos de meu avo, sentido novamente o temor de que explodissem no ceu as nuvens em cordas
das mãos de meu pai, olhando as mãos de meu neto, pensando que a vida,- esse manuscrito
de mistério-,  não passa de um eterno esperar pelos sinais que as mãos nos reservam.   

segunda-feira, 14 de julho de 2014

C A N Ç Ã O !


Eles tem códigos e decretos.
Eles tem prisões e fortalezas.
(sem contar seus reformatórios!)
Eles tem carcereiros e juizes
que fazem o que mandam por trinta dinheiros.
Sim, e para que?
Será que e;es pensam que nós, como eles,
seremos destruídos?
Seu fim será breve e eles hão de notar
que nada poderá ajudá-los.
Eles tem jornais e impressoras
para nos combater e amordaçar.
(sem contar seus estadistas!)
Eles tem professores e sacerdotes
que fazem o que mandam por trinta dinheiros.
Sim, e para que?
Será que precisam a verdade temer?
Seu fim será breve e eles hão de notar
que nada poderá ajudá-los.
Eles tem tanques e canhões,
granadas e metralhadoras
(sem contar seus cassetetes!)
Eles tem policia e soldados,
que por pouco dinheiro estão prontos a tudo.
Sim, e para que?
Terão inimigos tão fortes?
Eles pensam que podem parar,
a sua queda, na queda, impedir.
Um dia, e será para breve
verão que anda poderá ajudá-los.
E de novo bem alto gritarão: Parem!
Pois nem dinheiro nem canhões
poderão mais salvá-lo

domingo, 13 de julho de 2014

Valorize o seu voto.E a sua inteligência!



Em campanha eleitoral, os candidatos pertencem a um partido que, na teoria, defende um programa. Se você pedir a seus candidatos para destacar dez pontos fundamentais do programa de seus partidos, o que diriam? Desconfio de que a maioria nunca o leu.
Há eleitores que priorizam a preferência partidária, e não o candidato. Se o político troca de partido, corre o risco de perder votos. Muitos eleitores negam apoio a quem cede ao pecado da infi-
delidade partidária.
Assim,os partidos transformam-se em confederações de tendências. Os partidos abrigam partidecos que, travam disputas internas. Deve ser por isso que se chamam partidos...Alguns deveriam ser qualificados de repartidos.
Na eleição a governador e presidente da República, o que
conta—além do horário gratuito no rádio e na TV—é o marketing, resultante de três afluentes que deságuam em imensa pororoca: o candidato, o partido e a agência de publicidade contratada para maquiar o político. Um minuto a mais na TV vale tanto que há quem troque a coerência política por
um prato defeijão...
Os candidatos procuram um publicitário ou jornalista que tenha com eles um mínimo de afinidade ideológica e, se possível, afetiva, e o contratam.
Tudo se complica quando chega a hora do rádio e da TV.
Os marqueteiros eleitorais são poucos e, em geral, disputadíssimos. Por isso, são caros. E trabalham para quem paga.
Os partidos conservadores, fartos em dinheiro, contratam
os mais competentes. Para a direita tudo é mais simples,
pois se move por interesses, ao contrário da esquerda, que se
move por princípios (ou deveria).
Marqueteiros eleitorais dificilmente são progressistas.
Alguém deve ceder: o marqueteiro, submetendo-se às decisões da coordenação da campanha, ou o candidato,submetendo-se às exigências de marketing.
Em geral, cede o candidato e, com ele, ficam desfigurados
seu perfil ideológico, o programa da campanha e o caráter
do partido.
Resultado:o candidato encantador vira abóbora ao ser elei-
to, e o eleitor que não examinou bem antes de votar fica chu-
pando os dedos...


Valorize o seu voto.E a sua inteligência!