sábado, 8 de abril de 2017

Perdão Maria Eduarda e outras(os)

Perdão
Maria Eduarda


"Perdoe-nos, menina Maria Eduarda. Não tínhamos o direito de viver numa sociedade que se recusa a discutir o fim da Polícia Militar. Perdoe-nos, menina Maria Eduarda, por sempre aceitarmos os incontáveis "autos de resistência" fajutos, em que policiais militares se vangloriam de quem "carrega nas costas" mais assassinatos, travestidos de combate ao crime, como eu tive o desprazer de assistir. Perdoe-nos, menina Maria Eduarda, por sempre colocarmos vendas nos nossos olhos para a péssima PM e dizermos que o Amarildo, o pequeno Juan, dentre muitos e muitos outros, "tinham envolvimento com o tráfico". Tenha a certeza de que, se você não tivesse estudando e praticando educação física, diriam que era uma traficante de drogas, mesmo com treze anos. Perdoe-nos, menina Maria Eduarda, por 1/3 da população dizer que a polícia deve ter "carta branca" para matar bandidos, rasgando quaisquer leis vigentes. Perdoe-nos, menina Maria Eduarda, por parte de nós ter aplaudido a execução dos dois traficantes já rendidos, afinal a contradição permeia algumas mentes que são contra o aborto, mas a favor da pena de morte. Perdoe-nos, menina Maria Eduarda, por não conseguirmos entender que a Polícia tem de ser Civil, pra proteger a sociedade e impedir que as drogas cheguem aos traficantes. Aliás, perdoe-nos, Maria Eduarda, por todos os armamentos pesados vendidos pelos próprios PMs para os bandidos. De bandido para bandido, né, menina? Perdoe-nos, também, por poucos de nós gritarmos "eu já falei, tem que acabar. Eu quero o fim da Polícia Militar". Perdoe-nos, menina Maria Eduarda, por esta polícia, através de seu batalhão de choque, espancar professores e outros servidores estaduais como eles, mas respeitarem quando meia dúzia de esposas impedem suas saídas dos quartéis. Perdoe-nos Maria Eduarda, por tirarmos o seu futuro e os seus sonhos. Seu sangue está banhando as mãos da sociedade e não adianta lavar."

DÊ DESCARGA!

A negação dos valores que nos caracterizam como humanos, que aqueles que patrocinaram o genocídio dos indígenas e dos quilombolas, tenham no deputado um mito é compatível com suas crenças intolerantes. Mas o que dizer de um  povo que sofreu  o Holocausto? Por causa deles não se admite soberania nacional ilimitada capaz de negar os direitos mínimos de toda pessoa ou grupos minoritários. A maioria já não pode tudo. O deputado apregoa que “bandido bom é bandido morto”. E mesmo quando o Estado mata quem não é bandido a história da pessoa é falsificada para justificar o homicídio. Foi assim com Amarildo. Muitas mães que têm seus filhos mortos buscam na Justiça não a punição dos agentes do Estado que os assassinaram, mas declaração de que seus filhos não tinham envolvimento com crime. Isto porque depois de matar a pessoa a corja desumana mata a dignidade da vítima. A tortura, a morte e o desaparecimento de Amarildo coincidiu com a colocação numa sala do Tribunal de Justiça de um quadro, do cartunista Carlos Latuff, com um homem negro crucificado e assassinado por um agente do Estado. O filho do “deputado hebraico” pediu à presidenta do TJ abertura de procedimento disciplinar contra o juiz. Ela, atendeu prontamente.
Karl Marx, que era judeu, escreveu sobre a questão judaica. Para ele, seu povo não deveria buscar apenas sua libertação, em prejuízo de outros povos. Sob o nazismo, os perseguidos foram os judeus pobres, socialistas e comunistas. Judeus ricos chegaram a obter, por meio de pagamento, certificado de “raça pura” e tratados como arianos. O genocídio foi contra os pobres. No nazismo, o Estado matava judeus pobres e não relacionados. No Brasil matam-se negros pobres não relacionados. Por isso, judeus de classe média, que se acreditam dominantes, são alheios às suas dores e aclamam como mito quem prega a exclusão.


Portanto, quando for ao banheiro e fizer um Bolsonaro, dê descarga!

segunda-feira, 30 de maio de 2016

E S T O U D E L U T O

Eu estou de luto — o pote encheu.

O quanto vimos e ouvimos falar de mulheres assediadas
na rua, no trabalho,no transporte público.
Quantas vezes as mulheres foram culpadas pela roupa,
pelo perfume,por passar por aquela calçada? A culpa
é eterna.
Não tenho filha ou irmã e invariavelmente vejo "homens"
fazendo recomendações,dando orientações,pedindo a placa
do carro do taxista quando ela volta pra casa em um, e
já me peguei regulando o short de sobrinhas com medo da rua.
Assim nos acostumamos a viver, achando que evitar o abuso
sexual e a violência contra a mulher é algo sob o nosso
controle.Vivemos assombrados— há sempre um olhar de predador
que rodeia o caminho delas, sempre uma sombra de medo as acom-
panhando.
Eu estou de luto. São muitos os casos de estupro. São
muitas as queixas e as dores.
E, de repente,um estupro coletivo: 30 homens contra
uma menina.Covardia.Brutalidade. Maldade.Horror. E de
novo, alguns tentam culpar a moça pelo desejo que possa
ter causado.
Estupro não é desejo, é violência.
Estupro não é sexo, é arma.
Estupro é dominação.
Quem estupra, longe de se sentir atraído pela vítima,
único desejo é violentar, dominar, matar.
Bichos? Não, os bichos são melhores que isso na sua
irracionalidade. Monstros doentes? Provavelmente.
Eu estou de luto. Estupro é arma de guerra. E se é guerra,
protejamos o lado frágil.
Lutemos.

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Todos os fatos são verdadeiros



Foi assim. Começou mais ou menos quando os jovens ocuparam as escolas. Aprendiam e ensinavam, uns aos outros, sem diário de classe, sem avaliação e nota. Sentavam-se em roda e conversavam. Cantavam, liam, falavam alto, sorriam e se punham sérios. Limpavam os banheiros, faziam comida, arrumavam as carteiras, pintavam paredes, dando um jeito nas lousas e janelas quebradas.

Alguns levavam comida e cobertores, livros e músicas, poemas e esperanças… e eles foram, assim do nada, construindo uma nova escola. Pelo menos é o que achavam àquela época. Mas, aos poucos, vindo das sombras onde se escondem entre as luzes da cidade, começaram a brotar pessoas. Não se sabia que ainda haviam pessoas. Os moradores de rua trouxeram pão com manteiga e chocolate quente. Os ladrões de comida ficaram pasmos: afinal, como é que a comida chegava às escolas e eles não ganhavam nada?

Os camponeses, então, resolveram que não poderia faltar comida para a moçada e decidiram imitar os estudantes (que os haviam imitado) e ocupar as terras. E lá plantavam comida, uma coisa que muita gente tinha esquecido o que era, acostumados que estavam em produzir emulações de comida em caixas coloridas e vistosas cheias de química, espessantes, acidulantes e sabores artificiais idênticos ao natural. Para plantar precisavam de instrumentos de trabalho, máquinas e caminhões… os estudantes precisariam de lápis, cadernos, panelas, janelas e portas, fogões e geladeiras, carteiras e tintas, tijolos e cimento…

Foi assim que eles apareceram. “Sei cozinhar”, disse um senhor, “sei fazer tijolos”, disse uma senhora. “Conserto panelas”. Um sabia pintar paredes, outros levantar paredes, trabalhar a madeira, o ferro, o barro, o pano. Sabe-se lá onde estavam este tempo todo, sofrendo de dura invisibilidade, presos pela magia das coisas, reificados em seus corpos de metal, sua pele de plástico, atrás das embalagens nas gôndolas do supermercado, em sua existência coisal, desempregados, demitidos, descartados, explorados… e os operários ocuparam as fábricas e decidiram que a partir daquele momento produziriam objetos úteis e foram conversar com os estudantes, os camponeses, as pessoas e quanto mais produziam para satisfazer necessidades, menos coisas eram, as coisas e eles mesmos.

É verdade que não sabiam fazer de tudo e erravam muito. Era muito divertido ver aquelas coisas todas erradas, como casa de parede caiada que mostra a tinta que já foi sua, a pedra e barro de que é feita, e tudo foi ficando muito bonito. Sem embalagem e sem propaganda, as vezes torta, as vezes feia, como a gente que fazia as coisas… bonitas.

Foi neste momento que, meio assim envergonhadas, meio sem jeito, foram aparecendo pessoas que diziam que sabiam de algumas coisas que podiam ajudar… quem sabe… saíram de seus escaninhos, seus laboratórios, suas salas, seus currículos lattes. Saíram de seus esconderijos e dos livros, e foi assim que as universidades foram ocupadas e alguns professores descobriram, atônitos, que também ali haviam estudantes e funcionários, e que do lado de fora também haviam pessoas com necessidades. Fizeram então uma pergunta que há muito tempo tinham abdicado de formular: o que é que vocês querem? Foi engraçado porque justamente eles que viviam fazendo perguntas e respondendo suas próprias perguntas, e discordando entre eles de suas respostas, nem sempre sabiam responder às perguntas daquela gente toda que ocupavas as escolas, as terras, as fábricas… todos riram muito disso e depois ficaram sérios buscando as respostas.

E não faltaram mais professores, médicos, enfermeiras, engenheiros, assistentes sociais, agrônomos, psicólogos, filósofos, sociólogos, pedagogos, dentistas, biólogos, químicos, físicos e de tudo um pouco. A diferença é que agora eles vinham em todas as cores. Eram índios, eram negros e negras, eram gente que olhando assim, parecia gente, igual àquelas que viviam lá fora. Um desavisado diria que eram pobres, pelo jeito simples de falar e de se vestir, porque andavam de ônibus, moravam perto e comiam do mesmo pão.

Porque comiam do mesmo pão e respiravam do mesmo ar, porque ficou difícil de diferenciar um do outro, começaram a se apaixonar loucamente, de todos os jeitos possíveis. E foi tanta paixão, tanto beijo, tanto tesão, que ninguém mais achou que precisava catalogar como homo, hetero, trans, bi e combinou chamar tudo de amor e foi assim que aconteceu. A família foi ficando uma coisa tão grande que não cabia mais, nem no estatuto, nem na lei, então, foi assim que de tão grande cabia o jeito de cada um.

Como todo mundo estava ocupando tudo, os loucos ocuparam os manicômios e decidiram em assembléia geral… fechar todos os manicômios. Saíram pelas ruas e diziam para as pessoas… “estou triste”, “dói muito”, “enfim vocês entenderam… “você gosta de mim”, “me dá um cigarro. Decidiu-se que não era crime ser triste, nem louco, para ser punido com remédio e contenção, mas mereciam e precisavam de tratamento e compreensão, então, os loucos foram assim se misturando com a vida e foi bom. Os loucos ficaram mais vivos e a vida mais louca… o que foi bom.

E os cantores cantaram, os poetas poetaram, os pintores pintaram, os escultores esculpiram, os escritores escreveram. No começo ninguém se deu conta, mas tinha gente cantando em escola ocupada, no ônibus, nas escadas do Teatro Municipal, tinha gente recitando poesia em sala de aula, dando aula em teatro, uma bagunça gloriosa.

Num dia destes, de tamanha confusão, um policial que foi prender uma mulher que havia roubado comida de um supermercado, resolveu perguntar por que ela tinha feito aquilo e diante da resposta que foi para dar comida para seus filhos que estavam com fome, foi lá e fez uma compra e deu pra ela. Vejam só!

Quando quase tudo estava ocupado foi que ouviram gritos vindos do palácio do governo. O povo foi até lá com cuidado. Não foi passeata nem manifestação, foram lá por curiosidade. Na sala presidencial estavam Temer e Cunha, engalfinhados rolando pelo chão disputando aos tapas a faixa presidencial. “É minha… é minha… eu peguei antes”!!!!

O pessoal que havia ocupado os CAPS disse que ia cuidar deles. Haviam outros que sofriam de comportamento tão estranho e que nem tinham percebido que tudo já estava ocupado. Eram empresários que sentados no canto de suas casas em posição fetal ficavam repetindo… “é meu, é meu”, banqueiros agarrados a malas de dinheiro com olhos vidrados e loucos dizendo “posso comprar qualquer um que queira se vender, ouros agarrados a espingardas gritavam eu mato, eu mato”, parlamentares aos berros choravam “se me der um cargo eu voto”, homens altos e raivosos de terno com um saiote cor de rosa de bailarina que berravam “eu não sou gay, não sou”, gente sentado na frente da TV tentando, sem conseguir, achar a Globo News e até mesmo pessoas comuns com camisas da seleção brasileira que olhavam assustadas pelas janelas esperando que os militares as salvassem.

Quando o último pedacinho do mundo foi ocupado… as pessoas se reuniram para decidir se já era hora de passar do reino da necessidade para o reino da liberdade é que apareceu a última surpresa. Um operário pediu a palavra e falou: “reino é o cacete… proponho que seja uma República”!

Não sei, só sei que foi assim. Todos os fatos aqui narrados são rigorosamente verdadeiros, apenas alguns deles não aconteceram… ainda
[11:46, 20/5/2016]

sexta-feira, 6 de maio de 2016

APRENDENDO E ENSINANDO

"O livro que eu precisava e não recebi está
mofando aqui. A escola é cheia de ratos.
Tudo isso me levou a ocupar a escola,
e a ocupação me mudou.Eu vinha à escola para
zoar.Agora entendi o propósito disso aqui.Parei
pra pensar:O que estou fazendo? Tenho que mudar.”
As palavras são de estudante da escola ocupada.
Elas constam de uma reportagem publicada em jornal
no último fim de semana. Ele tem apenas 16 anos, mas
o que disse deve servir de reflexão para muitos mar-
manjos –alguns ocupando cargos de chefia nas se-
cretarias de Educação.
A partir da experiência de São Paulo, quando a garotada
reagiu com ocupações ao fechamento de escolas, deter
minado pelo governador do PSDB Geraldo Alckmin,e à 
roubalheira na merenda escolar, o movimento se estendeu
a outros estados.
É uma forma de luta nova, que mostra vigor do movimento,
tão prejudicado nos últimos tempos pelo apelegamento das
entidades estudantis. Em São Paulo, as escolas ocupadas 
foram além de cem. 
Nelas, os alunos distribuem tarefas que, a rigor, deveriam
ser do poder público: limpeza, conservação e realização de 
reparos variados dos imóveis, muitos caindo aos pedaços.
Preparam a alimentação.
Têm também aulas com gente qualificada, solidária com o 
movimento. E promovem atividades culturais, recebendo a
visita de artistas e músicos que fazem apresentações.
A reação das autoridades não poderia ser mais mesquinha.
Em vez de dialogar com a molecada, valorizando o exercício
de cidadania,e somar esforços na busca de soluções, anteci-
param as férias e cortaram o vale-transporte. Os alunos que
ocuparam as escolas estão tendo uma experiência essencial na 
vida de um ser humano.Estão adquirindo consciência política
e aprendendo a valorização do coletivo, da sociedade e do 
respeito com a coisa pública.
Já nos ensinava um samba antigo, que não sei o compositor;

‘Humanidade’:

‘Eu quero ser livre e liberar /
Eu quero estudar e aprender/
Eu só quero aprender para ensinar’.

A garotada está aprendendo e ensinando. E nos dá uma li-
ção de cidadania. E a muitos Professores(as) também!

terça-feira, 3 de maio de 2016

B O N S T E M P O S?

Recentemente, eu conversava com a Céu Maria, uma menina de 6 anos,
que tem extrema habilidade no manuseio das novas tecnologias.
Pertence a essa nova geração que não conheceram a sociedade analó-
gica.
Eu, como imigrante digital,contava-lhe sobre o meu tempo de estu-
dante, de uma cultura bem distante para ela: “Na minha época, não
tinha esse negócio de telefone celular. Era orelhão e ficha”,
“Orelhão e ficha?”, perguntou.
“Sim, para eu telefonar tinha que carregar fichas no bolso.
E também não tinha essa história de e-mail.Eu tinha que colocar
uma carta nos Correios. Às vezes,levava muitos dias para chegar”.
“Carta nos Correios?” “Sim,carta nos Correios. Além disso,não
tinha computador e impressora.
Era máquina de escrever e mimeógrafo!”.
Ela olhou-me espantada:
“Máquina de escrever e mimeógrafo?”
“Sim”. Repeti:“máquina de escrever e mimeógrafo”.
Ela descrente e irônica, me perguntou:
“Vô,na sua época tinha dinossauro?”.
Emudeci, encerrei a conversa e fui olhar as mensagens no WhatsApp.

terça-feira, 19 de abril de 2016

Deus no comando

Eu nunca os tinha visto reunidos, com cada um tendo  30 segundos para formar frase. Como a oportunidade era imperdível, me sentei diante da TV para ver como eram, como se comportariam, como se vestiam os deputados que representam a diversidade de um Brasil enorme. Queria ver o pescador das jangadas do Ceará, o seringueiro do Acre, o bugre pantaneiro de Mato Grosso, o tropeiro das Minas Gerais, as bombachas dos pampas.  Só sobraram sotaques que dão alguma pista da região. Sobram paletó e cabelo penteado em goma brilhosa, muita loura oxigenada, nenhum turbante afro, nenhum cocar,muita esquisitice do padronizado mundo deles. Previsíveis e repetitivos, com pouquíssimos surpreendendo nem que fosse comum chapéu,mesmo comportado. Na hora de formar as frases, emocionados, nervosos, eles partiam para reminiscências pessoais. Votavam pelos que amavam em casa e nos currais eleitorais. Falavam das cidades, porque nas próximas eleições os eleitores disso lembrarão: “Nossa cidade foi lembrada na enorme audiência daquela data”.Depois (ou antes)invocavam o Deus deles. Muito Deus que protegesse, ou se apiedasse, ou misericórdia tivesse. É o Deus dos vendilhões do templo, aquele que é invocado até pelos que vivem em crime. Desde criança sempre ouvi gente clamando por este Deus, quietinho e fazendo cara de santo em público, e cometendo atrocidades por baixo dos panos. Mas basta comungar, ou arrepender-se, ou se comportar e não passar recibo, que tá tudo certo. Deus da hipocrisia, dizei-me vós, Senhor Deus, se é mentira, se é verdade tanto horror perante os céus? A nação publica no facebook: “Deus no comando”. Então tá, quando até Eduardo Cunha invoca o comandante e manda que ele tenha piedade de nossa nação, resta saber que comando?  Que Deus,caras pálidas?Pastores, fervorosos pais de famí- lia cristã, bancada da bala, dos ruralistas, a Tia Eron que ama muito aquilo tudo,enfim, foi muita gente invocando Deus. E,só para mostrar aos incrédulos,como eu,que Ele está no comando,  que bastaram sete horas para que Ele nos desse exemplo de que se EMPUTECEU: o marido da Raquel Muniz(penteado em laquê topete “sou rica” e gola abotoada afogando o pescoço “sou casta”)a que mel a oferecia em bandeja como exemplo para o futuro do Brasil que vai dar certo (também citou a mãe Elza, nome que na gíriria  “dar a Elza”, significa surrupiar) foi preso. Mico dos micos. Foi a noite em que quem dedicou seu voto a torturador, recebeu uma cusparada.VALEU JEAN WILLIS!