quinta-feira, 19 de abril de 2018

P O I S É, E N T Ã O!!!

 Sobre a ditadura (I)“O erro foi torturar [os presos políticos] e não matar” (youtube.com/ watch?v=6_catYXcZWE).

Sobre a ditadura (II):“Se ela tivesse matado mais gente, teria sido melhor” (dgabc.com.br/Noticia/120841/bolsonaro-isso-e-queda-torturar-e-nao-matar).

Sobre negros (I): “Quilombola não serve nem pra procriar” (congressoemfoco.uol.com.br/noticias/ bolsonaro-quilombola-nao-serve nem para procriar).

Sobre negros (II), ao ser perguntado sobre qual seria sua reação se um filho se relacionasse com uma negra: “Eu não corro o risco, meus filhos foram bem educados”. (youtube.com/watch?v=9T5ZSAO1MVg).

Sobre o massacre do Carandiru: “A PM deveria ter matado mais de mil presos, e não só 111" (jairbolsonaro.blogspot.com.br/2014/04/massacre-do-carandiru.html).

Sobre o país: “Só vai mudar com guerra civil, matando uns 30 mil” (youtube.com/ watch?v=-fMdCwlwg8E).

Sobre homossexuais: “Eu seria incapaz de amar um filho homossexual. Prefiro que um filho morra num acidente do que apareça com um bigodudo por aí” (https://goo. gl/U16ZNs).

Sobre estupro: “Não te estupro porque você é muito feia e não merece”, para a deputada Maria do Rosário (youtube.com/ watch?v=LD8-b4wvIjc).

Sobre honestidade: “Eu sonego imposto. Sonego o que for possível” (youtube.com/ watch?v=-fMdCwlwg8E).


Sobre a Amazônia: “A Amazônia não é do Brasil. Devemos entregá-la aos Estados Unidos porque não sabemos explorá-la” (youtube.com/ watch?v=pwxDm_yvaxk).

As frases  -  fascista, racista, misógino, homofóbico e entreguista, e que, fazem apologia de crimes - são do deputado Jair Bolsonaro. A autenticidade das citações pode ser conferida na internet. Que haja quem fala tais barbaridades, paciência. Idiotas existem. Mas é preocupante um idiota estar em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto para presidente. Isso reflete no crescimento do neofascismo, que cria o clima de ódio responsável pelo assassinato de Marielle Franco e pelos tiros na caravana de Lula. É bom abrir o olho.
Quando, nos anos 20 do século passado, Hitler surgiu na Alemanha também foi considerado uma figura caricata. Deu no que deu.

terça-feira, 10 de abril de 2018

Ter ódio de Lula não é ter ódio da corrupção.


Eu quero falar sobre Lula e o ódio de classe.
Não é que ele seja um herói.
É que pra maioria dos seres humanos que vivem no Brasil nos últimos 50 anos ele foi o primeiro a dar esperança.
Quando os trabalhadores desse país construíram uma das maiores experiências de organização popular do mundo, Lula estava lá.
Ele também estava a frente de uma das mais importantes greves operárias do nosso continente.
Na época em que bastava dar a opinião para ser preso em solo tupiniquim o Lula teve lá, preso.
Quando o povo dessa nação tirou os homens fardados do poder, ele estava presente.
Ele não é um herói, tampouco um santo pronto para subir no altar.
Mas ele é um de nós.
Um dos milhões e milhões de pessoas para qual a vida é ardida e que não conhecem aquele Brasil do paraíso natural de belezas e samba, ele é um igual.
Lula chegou ao poder do país carregando o sonho do fim da fome e da miséria.
Os Brasileiros em 2002 sonhavam com o fim da FOME
Era um grito de socorro.
Mas Lula não é um herói. Nem santo.
Ele é só um de nós.
Você,  que hoje comemora a prisão, preste atenção.
Nosso país está afogado de poderosos corruptos.
O congresso nacional é um ninho de desonestidade e mesquinhez.
As maiores empresas privadas, para as quais muitos de vocês trabalham estão envolvidas em escândalos nunca registrados antes.
Mas por favor escute, comemorar a prisão de Lula não é celebrar a vitória da honestidade.
Ter ódio de Lula não é ter ódio da corrupção.
É ódio de Classe.
Esse ódio serve só pra nós lembrar que estamos no Brasil.
E no Brasil de sempre, metalúrgico tem que se pôr no seu lugar. Anafalbeto não opina. Trabalhador não pode governar. Filho de empregada não estuda. Negro nao é Juiz. Bandido bom é o que tá morto. Nordestino se mantém na faxina, ou na obra. Mulher não vira presidente. LGBT tem que se fuder porque é safado. Direitos humanos é frescura. Preto é ladrão. Mulher apanha porque alguma coisa fez. Favelado negro e vagabundo tem que prender.
O ódio, os memes, as panelas, os rojões são ódio contra a maioria do povo que habita esse solo.
Ódio dos que não tem vez. Dos que falam demais, estudam demais, opinam demais.
É ódio da maioria.
É isso.
Aos que estão tristes como eu, a estrada da nossa gente foi de brita, pedra e suor, não vai ser essa lombada que vai nos derrubar.
Vamos por fogo neste hospício em respeito a sanidade!

sábado, 7 de abril de 2018

Vamos lá, vamos acordar.


Hoje é dia de defender Lula dessa injustiça, de vestir vermelho, de postar foto de Lula em todos os grupos, de exaltar o bolsa família, os aumentos do salário mínimo, o renascimento da Industria Naval, o Prouni, os empregos criados, a retirada do Brasil do mapa da fome da ONU.  Hora de mostrar pra esses filhos da puta que temos orgulho de um retirante Nordestino, de um "pau de arara" que mostrou ser possivel, mesmo após 500 anos de injustiças e exploração, que somos capazes de mostrar ao mundo que não somos uma Republica das Bananas, uma pátria de chuteiras.
Hoje é dia de Lula Lá.
Dia de xingar o Moro.o Dellagnol, o Japonês da federal, o Temer, xingar golpista safado, de dá tapa na cara dessas porras todas, desse filhotes da ditadura, desses netos da escravidão.

Hoje é dia de dá porrada em todos, de falar pra eles: querem prender? vem me prender seus filhos da puta!
Hoje é dia  de gritar Viva Fidel, viva Chê, Viva Lula, Viva Zumbi, Mujica, Mandela etc...,
Hoje é dia de adormecer a sanidade, dia de tacar fogo na cidade!   Dia de abraçar Lula, de abraçar Dilma, dia de ir pro sítio de Atibaia fazer churrasco e beber cachaça e depois dá um rolê no Guarujá, e dormir no Triplex.

sexta-feira, 6 de abril de 2018

A RAZÃO CALADA


Certa indignação,
Certa acomodação,
Certo vazio,
Certo preenchimento,
Certo pessimismo,
Certa compreensão,
Certo desânimo,
Certo cansaço,
Certa amargura,
Uma certa hipocrisia,
Certo cinismo,
Certa desilusão,
Certo entorpecimento,
Certa apatia,
Certa cegueira,
Certo esporão,
Certa melancolia,
Certo chicote,
Certa mentira,
Certa desunião,
Certo encantamento,
Certo apagão,
Certa alegoria,
Certo arrastão,
Certo juízo,
Certa paixão,
Certa ignorância,
Certa emoção,
Certa estupidez ,
Certo deboche,
Certa euforia,
Certa enganação.
São tantas certas e certos.


Vejo mesmo é uma falta de razão.
São os dias de ontem chegando, vamos por aí eu e meu cachorro, perturbar a paz e exigir o troco.

quinta-feira, 5 de abril de 2018

ÓH SENHORA LIBERDADE!

Na tormentosa noite em que o meu sangue  avermelhou, o país se tornava refém de uma ditadura que duraria vinte e um anos.
Foi quando  os sonhos de liberdade brotaram a partir desse enorme pesadelo.
Amigos desaparecendo, crianças como eu, virando órfãs de pais assassinados pela  polícia política e motivos tambem, cujas ordens eram buscar, torturar e matar.
A voz calada por medo,
O pensamento sob constante patrulha,
Os textos censurados sem dó nem piedade.
Os dias escureceram, a luz sofreu proibição.
Pessoas fuziladas, exiladas sem razão.
Imprensa controlada, transparência havia não.
Revistas, violência, o pavor no coração.
Angústia, sofrimento, vigilância e perseguição.
Parlamento controlado, inteligência na prisão.
Judiciário calado, permissivo, sem perdão.
Nos porões da ditadura muitos gritos de horror.
Nas covardia da vida o verde oliva era o vapor.
Muita gente adormecida, surda e cega sob pressão.
Outros tantos na batalha contra toda repressão.
Hoje a chama da liberdade sob ameaça de apagar. Uma gente disfarçada se infiltrando em todo lar.    
Mais que nunca é necessário à memória recorrer,
pois se eu posso resgatar a história,
a ditadura aqui de novo não vai mais acontecer                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     INSTRUÇÕES PARA ENFRENTAR O MAU TEMPO
Em primeiro lugar, não se desespere e em caso de agitação não siga as regras que o furacão quererá lhe impor.
Refugie-se em casa e feche as portas e janelas quando todos estiverem a salvo.
Compartilhe o café e a conversa com os companheiros, os beijos  e as noites clandestinas com quem lhe assegure ternura.
Não deixe que a estupidez se imponha.
Defenda-se.
Contra a estética, ética.
Esteja sempre atento.
Não lhes bastarão nos empobrecer, eles quererão nos subjugá com sua própria tristeza.
Ria ostensivamente.
Tire sarro: a direita é mal comida.
Será imprescindível está juntos a cada dia até que a tormenta passe.
São coisas simples, mas nem por isso menos eficazes.
Diga para o lado bom dia, por favor e obrigado.
E tomar no cu quando o solicitem de cima.
Dê tudo o que tiver, mas nunca sozinho.
Eles sabem como nos emboscá na solidão desprevenida de uma tarde.
Lembre que os artistas serão sempre nossos.
E o esquecimento será feroz com o bando de impostores que os acompanha.
Tudo vai ficar bem se a gente se ouvir.
Sobreviveremos novamente, estamos maduros.
Cuidemos dos garotos, que eles quererão podar.
Só é preciso se munir bem e não amesquinhar amabilidades.
Devemos ter à mão os poemas indispensáveis, a Cerveja e o violão.
Sorrir aos nossos pares como vacina contra a angústia diária.
Ser piedosos com os amigos.
Não confundir os ingênuos com os traidores.
E, mesmo com estes, ter o perdão fácil quando voltarem com as ilusões acabadas.
Aqui ninguém sobra.
E, isto sim, ser perseverantes e tenazes, escrever religiosamente todos os dias, todas as tardes, todas as noites.
Ainda sustentados em teimosias se a fé desmoronar.
Nisso, não haverá trégua para ninguém.
A poesia dói nesses filhos da puta.

Há de se cuidar do broto, pra que a vida nos dê flor, fruto!
Mais que nunca é preciso cantar, é preciso cantar pra alegrar a cidade.                                                                                                                                                                                                                                  

domingo, 25 de março de 2018

É (ELA)

  Para Marielle e tantas outras.

É... parece que existe muita alma nessa calma... uma alma que tenta aprender com os altos e baixos, com o sol e a lua, com o choro e o riso. Uma alma que tenta absorver o que de bom acontece ao seu redor, e leva pra dentro , e guarda, e preserva, e se alimenta disso.

É... parece mesmo que nessa calma toda, existe muita alma, mais de uma... umas tantas que se desdobram para sobreviver diante de uma existência tão intensa. Sábia vida que a dotou de tranquilidade, mesmo diante de tantas revoluções internas.


Alma calma e aprendiz, que senta como criança ao redor dos dias floridos para admirar a beleza que existe na natureza, em uma palavra de amor, em um coração generoso, um gesto de delicadeza. Que se guarda, quando doída, silencia quando precisa entender, dá pausas para se iluminar, fortalecer, refazer, renascer.


Parece que aprende às avessas, atrapalhada, do seu jeito, o significado de guerra e paz, bom e ruim, bem e mal. Talvez por isso busca, luta, paga o preço, vira o jogo, resiste, insiste.


É... a vida a mostrou, ela custou mas entendeu.
É de frente e com coragem, que se enfrenta a ventania
e se aprende o que é ser calmaria...

sexta-feira, 9 de março de 2018

S E T E 7



                   Por que o risco no meio do 7?
                   Muita gente quando escreve o  numero 7, ainda coloca um pequeno traço no número. Poderia  ser um simbolo matemático e todo simbolo matemático que tem um traço cortante passa a ser negativo contém/não contém, contido/não contido, pertence/não pertence e por aí em diante mas na  matemática, este pequeno traço no sete não existe, como dá para constatar, digitando a tecla 7 do teclado do seu computador, do seu smartfone calculadora ou qualquer outro aparelho que possua teclado.
                   Sabem a origem deste costume?
                   Para entender, temos que voltar muitos séculos atrás, aos tempos bíblicos, quando Moisés estava no Monte Sinai e lhe foram ditados os 10 mandamentos.
                   Em alta voz, ele foi anunciando à multidão, um por um.
Quando chegou no mandamento sete, Moisés disse:
Não desejarás a mulher do próximo!

Um breve silêncio...
E a multidão gritou em coro:


                    -Risca o sete!! Risca o sete!!